CARACOL/MS ,27 de maio de 2019
Foto:
15/04/2019 22:33
Campo Grande terá o mosquito do bem
Prevenção a Dengue
Ministro Luiz Henrique Mandetta anunciou que a Capital receberá o mosquito aedes aegpti geneticamente modificado

Com a utilização do mosquito geneticamente  modificado o combate aos focos aedes Aegpty deve se intensificar e fatalmente haverá uma redução de casos de dengue, Chikungunya e da Zika”. Esta foi a afirmação do ministro Luiz Henrique Mandetta ao abrir na manhã de hoje o Seminário . “Atualização em Manejo Clínico da dengue e febre do Chikungunya e no controle vetorial do Aedes Aegypti” que aconteceu no anfiteatro da Escola de Saúde Jorge David Nasser. Luiz Henrique Mandetta (DEM) adiantou que com a liberação do mosquito modificado nos próximos anos, a previsão é que não haja registro de epidemias. A afirmação do Ministro tem como base o resultado da experiências  realizada no bairro Jurujuba, em Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro em agosto de 2015 e na Ilha do Governador, zona norte do Rio, em 2016, atingiu 90% de sucesso na substituição de mosquitos Aedes aegypti comuns. Participaram da abertura do seminário A presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, o Secretário de Saude do  Estado  Geraldo Resende e vários Secretários  Municipais de saúde , entre eles participou a Secretaria de Saude  de Caracol  Sra Rosineia Assis.. Durante todo o dia teve  palestras de especialistas e pesquisadores de Mato Grosso do Sul, Bahia, Rio de Janeiro e Minas Gerais.  Já o coordenador do WMP (World Mosquito Program) no Brasil,  pesquisador da Fiocruz, Luciano Moreira, falou sobre a utilização do mosquito infectado com Wolbachia em atividade piloto no Rio de Janeiro. O controle biológico é feito com a bactéria Wolbachia, que impede o mosquito transmitir o vírus e é inofensiva aos seres humanos. A substituição dos mosquitos ocorre com o cruzamento entre eles, com a transmissão da bactéria pela fêmea aos seus filhotes.

Texto/Fonte: Assessoria de Imprensa/diario digital